quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Mal me quer... Bem me quero!





"Que minha solidão me sirva de companhia
Que eu tenha a coragem de me enfrentar
Que eu saiba ficar com o nada
e mesmo assim me sentir
como se estivesse plena de tudo."

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

" Tudo tem que ser bem de leve para
eu não me assustar e não assustar os
que amo.
Pedem-me pouco, pedem-me quase nada.
O terrível é que eu tenho muito para dar
e tenho que engolir esse muito e ainda
por cima dizer com delicadeza : obrigada
por receberem de mim um pouquinho de mim."

sábado, 12 de setembro de 2009

Não vivo para os outros.
Não supro expectativas.
Não se iluda.
Não espere nada de mim.
Egoísta; sozinha eu sei. Mas feliz!

segunda-feira, 3 de agosto de 2009

Pensando em te matar...
De amor...
Ou de dor...
Eu te espero...
Calada.

quinta-feira, 23 de julho de 2009

Antes do dia partir

Paulo Mendes Campos, em uma de suas crônicas reunidas no livro "O amor acaba", diz que devemos nos empenhar em não deixar o dia partir inutilmente. Eu tenho, há anos, isso como lema.

É pieguice, mas antes de dormir, quando o dia que passou está dando o prefixo e saindo do ar, eu penso: o que valeu a pena hoje? Sempre tem alguma coisa. Uma proposta de trabalho. Um telefonema. Um filme. Um corte de cabelo que deu certo. Até uma briga pode ter sido útil, caso tenha iluminado o que andava ermo dentro da gente.

Já para algumas pessoas, ganhar o dia é ganhar mesmo: ganhar um aumento, ganhar na loteria, ganhar um pedido de casamento, ganhar uma licitação, ganhar uma partida. Mas para quem valoriza apenas as mega-vitórias, sobram centenas de outros dias em que, aparentemente, nada acontece, e geralmente são essas pessoas que vivem dizendo que a vida não é boa, e seguem cultivando sua angústia existencial com carinho e uísque, mesmo já tendo seu superapartamento, sua bela esposa, seu carro do ano e um salário aditivado.

Nas últimas semanas, meus dias foram salvos por detalhes. Uma segunda-feira valeu por um programa de rádio que fez um tributo aos Beatles e que me arrepiou, me transportou para uma época legal da vida, me fez quere dividir aquele momento com pessoas que são importantes para mim. Na terça, meu dia não foi em vão porque uma pessoa que amo recebeu um diagnóstico positivo de uma doença que poderia ser mais séria. Na quarta o dia foi ganho porque o aluno de uma escola me pediu para tirar uma foto com ele. Na quinta, uma amiga que eu não via há meses ligou me convidando para almoçar. Na sexta, o dia não partiu inutilmente só por causa de um cachorro-quente.

E assim correm os dias, presenteando a gente com uma música, um crepúsculo, um instante especial que acaba compensando 24 horas banais.

Claro que têm dias que não servem pra nada, dias em que ninguém nos surpreende, o trabalho não rende e as horas arrastam-se melancólicas, sem falar naqueles dias em que tudo dá errado: batemos o carro, perdemos um cliente e o encontro da noite é desmarcado.

Pois estou pra dizer que até a tristeza pode tornar um dia especial, só que não ficaremos sabendo disso na hora, e sim lá adiante, naquele lugar chamado futuro, onde tudo se justifica.

É muita condescendência com o cotidiano, eu sei, mas não deixar o dia de hoje partir inutilmente é o único meio de a gente aguardar com entusiasmo o dia de amanhã.

Martha Medeiros

sábado, 6 de junho de 2009

Não era amor. Era melhor


Se não era amor, era da mesma família. Pois sobrou o que sobra dos corações abandonados. A carência. A saudade. A mágoa. Um quase desespero, uma espécie de avião em queda que a gente sabe que vai se estabilizar, só não se sabe se vai ser antes ou depois de se chocar contra o solo.

Eu bati a 200 km por hora e estou voltando à pé pra casa, avariada. Eu sei, não precisa me dizer outra vez. Era uma diversão, uma paixonite, um jogo entre adultos.

Talvez este seja o ponto. Talvez eu não seja adulta o suficiente para brincar tão longe do meu pátio, do meu quarto, das minhas bonecas. Onde é que eu estava com a cabeça, de acreditar em contos de fada, de achar que a gente muda o que sente, e que bastaria apertar um botão que as luzes apagariam e eu voltaria a minha vida satisfatória, sem seqüelas, sem registro de ocorrência?

Eu não amei aquele cara.
Eu tenho certeza que não.
Eu amei a mim mesma naquela verdade inventada.
Não era amor, era uma sorte.
Não era amor, era uma travessura.
Não era amor, eram dois travesseiros.
Não era amor, eram dois celulares desligados.
Não era amor, era de tarde.
Não era amor, era inverno.
Não era amor, era sem medo.
Não era amor. Era melhor.

O texto é de Martha Medeiros, mas a realidade é de muitas...

terça-feira, 2 de junho de 2009


De tudo ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
ele se encante mais meu pensamento.
Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento
E assim, quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama
Eu possa me dizer do amor (que tive):

Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure.

segunda-feira, 18 de maio de 2009

Para rir, mas sem perder a classe! rs

Quem assistiu Faustão (ou ia passando pelos canais e de repente viu rsrs) ontem, pode conferir uma "nova" banda que foi apresentada no Garagem do Faustão.
É a banda Pedra Letícia! Uma banda goiana muito engraçada, porém, dá para perceber que eles sabem o que estão fazendo.
Gostei muito e ri muito também. Até porque humor não é todo mundo que sabe fazer. Eles sabem... E bem!

video

Tem outros videos no youtube, tão engraçados quanto. Vou colocar abaixo alguns links... Bom, entrem lá que tem mais.

http://www.youtube.com/watch?v=h0RZXp7WsSY

http://www.youtube.com/watch?v=ZedfP30Z-dk&feature=related

quarta-feira, 13 de maio de 2009

Metamorfose

Quem sou eu? Menina ou mulher?
Defino-me como uma menina com mente de mulher e mulher com mente de menina.
Sou menina quando,numa situação difícil, procuro colo, seja de mãe ou de alguém que ame e confie.
Sou mulher quando nesse mesmo momento crio forças e enfrento a situação com a determinação de uma mulher de fé inabalável, que sabe que vencerá mais uma batalha.
Sou menina quando encanto-me com as luzes do natal. Sim, ainda me pego fascinada por todas aquelas luzes como quando tinha 8 anos de idade.
Sou mulher quando tomo consciência de que esse tempo passou e hoje é minha filha, que com a mesma idade que eu tinha, também se deixa encantar pelas mesmas luzes.
Menina… Mulher… As duas! O importante é não me perder de mim mesma… Nunca!

sábado, 11 de abril de 2009


"Quero αpenαs cinco coisαs...
Primeiro é o αmor sem fim,
α segunda é ver o outono,
α terceirα é o grαve inverno,
em quαrto lugαr o verão,
α quintα coisα são teus olhos…
Não quero dormir sem teus olhos,
não quero ser sem que me olhes,
αbro mão dα primαverα pαrα que continues me olhαndo."

terça-feira, 6 de janeiro de 2009

Dom Helder: o Dom da Paz!


"É graça divina começar bem.
Graça maior é persistir na caminhada.
Mas graça das graças é não desistir nunca."